quinta-feira, 2 de julho de 2009

Pensa, logo incita.

Ante os olhos dos que o cercam passa como quem não quer nada.
Aspirante a bon vivant,
agora aspira entre a cerveja e a cachaça.
Palma da mão é de calos, palavras o afagam quando o calam.
'Seja realista' eu falo, 'pare de crer que pode mudar o mundo!
Joga teus ideais no lixo e senta pra tomar um café'.
Se cala, sorri. Sabe que é uma pessoa errada.
A pessoa errada, na época errada,
suas tatuagens desmentem sua cara lavada.





Pouco bom, mas pra você, bom é pouco.
Homenagem!

Um comentário:

sarah disse...

muito, muito bom mesmo. :)